Novo normal: o papel do setor de recursos humanos no pós-pandemia

Com todas as transformações no mundo corporativo, como o área de recursos humanos deve encarar as mudanças e atuar no novo normal

Setor de recursos humanos no Novo Normal

O que podemos considerar como um novo normal? Em um mundo tomado pela pandemia, os olhares otimistas e estratégicos se voltam ao pós-crise. Afinal, esperamos com esperança para que tudo volte ao normal, mas será que o “normal” que conhecemos será o padrão novamente?

Com isso, uma das expressões mais usada nesse momento é o “novo normal”, e talvez você sinta certa dificuldade para desenhar esse cenário em sua empresa. Primeiro, o mais importante é pensar que o novo normal já está acontecendo: novos processos, estratégias e formas de trabalhar já entraram em vigor, seja em relação aos colaboradores, clientes e parceiros.

Segundo, tenha em mente que existe um novo normal que irá permanecer no mundo pós-pandemia, e deve impactar recursos humanos. Por isso, importância de gerenciar a sua marca empregadora nesse momento, pois o posicionamento adotado por sua empresa durante a crise irá repercutir em momentos posteriores.

Conheça o novo perfil do profissional de recursos humanos

É fundamental que as empresas se adaptarem aos processos, mas como ficam as pessoas? Realizar uma mudança de mindset corporativo e observar como os seus colaboradores estão encarando essa nova fase, são pontos fundamentais para que a adaptação ao novo normal seja positiva e eficaz.

O novo normal engloba um conjunto de aspectos, e talvez algumas empresas estejam mais preparadas do que outras para as mudanças. Por exemplo, a digitalizar os processos para que as atividades aconteçam de forma remota, a fim de viabilizam o home office como nova forma de trabalho e economia de recursos.

Nesse artigo vamos apresentar algumas reflexões do novo normal para as empresas e principalmente como o setor de recursos humanos irá atuar nessa nova realidade.

O novo normal para serviços e consumos

O futuro inovador que imaginávamos já está acontecendo, o coronavírus reforçou o comportamento ainda mais digital. Agora, o uso de ferramentas tecnologias para todos os setores, a criação de novas comunidades e o aprimoramento do pensamento coletivo são fundamentais.

Observe que essa é uma realidade que já vivemos, a vida digital e colaborativa, mesmo que a distância. Por isso, empresas do mundo todo digitalizaram os seus processos e estão investindo em novos negócios.

É dessa forma que as ações do Mercado Livre ultrapassaram as do Banco Itaú. Pois no novo normal, além dos serviços essenciais ganharem maior atratividade, todo serviço e produto que entregar comodidade, promover uma experiência ao consumidor e estiver alinhado a propósitos essenciais para o bom convívio da sociedade, irá se destacar.

Como citamos, esse é um comportamento que já acompanhamos nos últimos anos com o aumento dos aplicativos de entrega, streaming, e outros serviços que digitalizam processos a fim de facilitar o dia a dia das pessoas. E hoje, com a pandemia, essas mudanças se intensificaram devido as medidas de isolamento. E assim, trazem benefícios para a sociedade e as empresas. A transformação tecnológica veio para ficar!

Para exemplificar, listamos algumas atividades que ganharam versões online:

  • Supermercado online;
  • Aulas a distância;
  • Transmissões ao vivo de artistas em redes sociais;
  • Exercícios físicos com acompanhamento de aplicativos;
  • Reuniões corporativas por vídeo chamada;
  • Atendimento médico online.

Essas são apenas algumas das atividades diárias que agora se tornaram comuns no digital de uma hora para outra.

Quais os reflexos para o mercado corporativo?

Para o mercado corporativo, as principais mudanças do novo normal estão associadas a rotina dos negócios e processos, trazendo modernidade e inovação para todas as etapas. Como sabemos, o impacto do coronavírus foi grande para muitas empresas, e cada segmento está passando por esse momento de uma forma se adaptando ao novo cenário.

Os planos de gestão de crise, redução de custo e congelamento de atividades, foram colocados em prática para que as corporações possam superar esse momento. E agora, com as adequações já realizadas, o mindset está voltado para a reinvenção, fortalecimento do posicionamento, valorização do capital humano e visão de oportunidades.

Assim, as principais mudanças corporativas que devem permanecer no mundo pós-pandemia, são o novo normal para as empresas:

  • Digitalização de diversos processos;
  • Uso de ferramentas tecnológicas;
  • Surgimento de novos negócios;
  • Flexibilização do trabalho remoto;
  • Reorganização de equipe e atividades;
  • Crescimento do e-commerce e do marketing digital.

O setor de recursos humanos atuando no novo normal

Nesse cenário de mudanças, o setor de recursos humanos tem um papel fundamental para auxiliar as empresas a se adaptarem ao novo normal. Logo, para implementar uma nova cultura corporativa, os profissionais de recursos humanos precisam estar atualizados sobre as transformações. Além de, planejar ações que direcionem os colaboradores para a retomada social e econômica, e promover o recrutamento transparente.

Sabemos que as empresas já estão se adaptando as mudanças de comportamento do consumidor. Mas, é preciso entender as mudanças de comportamento dos colaboradores e como as transformações impulsionadas pela crise impactam a rotina de trabalho e o dia a dia das pessoas.

Por isso, no novo normal a equipe de recursos humanos deve focar ainda mais no capital humano da empresa. E assim, entender os anseios enfrentados nesse momento e conduzir a uma nova realidade, ou a permanência das transformações que já acorreram.

O que RH deve se atentar no novo normal:

Mindset corporativo

Manter o mindset dos colaboradores alinhados aos propósitos da empresa é tão importante quanto orientá-los e acompanhá-los nessa mudança. Hoje, uma das principais dificuldades para se adaptar ao novo normal corporativo são os funcionários irredutíveis a transformação digital.

Treinamento de ferramentas

Alguns setores mais tradicionais e equipes burocráticas podem desconfiar da eficiência, qualidade e segurança dos processos digitais. Pois isso, para o novo normal, é preciso treinar e mostrar a esses funcionários como as ferramentas tecnológicas auxiliam os serviços e permitem economia de tempo para desenvolver novas estratégias.

Atenção a saúde mental

Nesse ponto, o suporte ao colaborador deve também se estender as questões psicológicas nesse momento delicado. Pois, novos questionamentos irão surgir e se estender, como a necessidade do trabalho presencial, por exemplo. Por isso, o RH deve mostrar aos colaborares que a empresa está aberta para auxiliar em questões emocionais, sendo esse um dos princípios para o bem-estar corporativo.

Implementação efetiva do home office

O sucesso e comodidade do home office pode levar muitas empresas a adotarem o trabalho remoto como uma prática. Pesquisas apontam que essa é uma das principais tendências do mundo pós-pandemia. Logo, a equipe de recursos humanos analisar a efetividade desse modelo de trabalho para a empresa, a fim de avaliar o regime flexível, por exemplo.

Pontos para levar em consideração:

  • Economia de custos;
  • Produtividade da equipe;
  • Processos alinhados;
  • Gestão de pessoas;
  • Ferramentas disponíveis.

Qual o papel do setor de recursos humanos para o engajamento no home office?

Liderança a distância

No novo normal, com o cenário de home office presente, é preciso também orientar os gestores e líderes sobre novas formas de gerenciar, que podem continuar sendo eficientes com o fim da crise. Como as, plataformas digitais, reuniões por vídeo conferência, com uma rotina de interação, controle de produtividade, engajamento, confiança e parceria.

Cálculo de produtividade

Nesse cenário as metas mudaram e o trabalho colaborativo se tornou ainda mais necessário. Pensando nisso, o novo normal pode contar com a mensuração da produtividade do time, calculando as atividades particulares que contribuem para um único projeto. Assim, os resultados da empresa indicam o engajamento de todos, e com isso, maior sentimento de pertencimento.

Na área de Recrutamento e Seleção, é possível contar com sistemas como ATS (Applicant Tracking System), que oferecem ferramentas digitais que controlam a efetividade dos processos seletivos, produtividade dos recrutadores, entre outros indicadores. É assim que funciona o gerenciamento de performance no PandaPé, o software de recrutamento e seleção desenvolvido pelo InfoJobs.

Saiba como mensurar os principais indicadores para a área de recursos humanos

Comunicação efetiva

Com a crise, as empresas devem sentir uma necessidade maior de manter o contato com os colabores, para que todos estejam alinhados e bem orientados. Essa é uma realidade que deve fazer parte do novo normal, pois só traz benefícios para ambos os lados. Ou seja, os colaboradores sentem que a empresa se preocupa com eles, e essa interação com uma comunicação transparente traz mais confiança e gera engajamento.

Digitalização dos processos

Esse é um dos pontos mais importantes e persistentes, como já falamos por aqui, a pandemia é temporária, mas a digitalização não. Sabemos que muitas empresas já digitalizaram suas atividades, com programas online, acessos remotos, softwares que facilitam os processos, armazenamento em nuvem e ferramentas de comunicação compartilhada.

Talvez, no início as equipes encontrem dificuldades para fazer tais adaptações e mudanças, mas no decorrer da utilização fica claro que todos ganham com a digitalização. Os resultados mostram que as ferramentas tecnológicas centralizam informações, agilizam os processos e geram economia de tempo e recursos. Por isso, não há dúvida que o novo normal será digital.

No setor de recursos humanos não seria diferente, a crise pandêmica também mostrou que é possível e necessário fazer um recrutamento 100% digital.

O PandaPé, único software de recrutamento e seleção integrado ao maior banco de currículos do Brasil do InfoJobs, permite realizar os processos seletivos de qualquer lugar. Acompanhando a evolução das vagas, produtividade dos recrutadores e todos os KPIs importantes para uma gestão estratégica, em um único painel de controle.

No mundo pós-pandemia a digitalização será um fator fundamental para atrair consumidores e usuários. E o mesmo deve acontecer com a atração de candidatos, assim, os processos de recrutamento e seleção atuam como uma vitrine de empresas inovadoras.

Além disso, digitalizar os processos de recrutamento e seleção é a principal forma de economizar tempo com atividades burocráticas. No PandaPé, é possível fazer a triagem inicial de currículos de acordo com os filtros de adequação, e programar no Smarting Recruting os testes eliminatórios em cada etapa. Assim, os recrutadores avaliam os profissionais que possuem maior aderência ao fit cultural da empresa nas etapas finais do recrutamento.

Saiba mais sobre a automatização do setor de recursos humanos

Adequação as medidas de segurança

Ao agregar tecnologia aos processos é preciso também observar as adequações a Lei Geral de Proteção de Dados, LGPD. Embora as diretrizes ainda não estejam em vigor, em breve a lei passará a multar empresas que não a cumprem. Por isso, o RH junto ao jurídico e a equipe de TI deve se atentar e regularizar o uso das ferramentas digitais para manipulação de dados.

No novo normal, a valorização das relações entre pessoas e empresas será ainda maior, por isso o time de recursos humanos irá atuar de forma mais efetiva com a promoção de boas experiências. Digitalizar as atividades operacionais é essencial para focar nessas novas prioridades.

Como os dados podem apoiar o RH na construção novas experiências

De forma geral, é papel da equipe de recursos humanos entender que todas as transformações atuais resultaram em uma sociedade mais conectada, e por isso, as empresas devem embarcar nessa tendência e preparar os colaboradores para as mudanças de comportamento no pós-pandemia.

E sua empresa, já está adaptada? Conte para a gente e acompanhe mais novidades em nossas redes sociais.

Prepare-se para o novo normal com o PandaPé