Como o RH deve se reinventar nesse momento de crise?

A reinvenção do RH com os novos desafios para a rotina do setor durante e após a pandemia

A crise do coronavírus apresentou uma nova realidade as empresas, a digitalização, o trabalho home office e a inovação nos processos, nesse cenário empresas com o mindset tecnológico e com propósitos bem definidos, irão superar a crise. O RH é uma peça fundamental para ajudar nessa adaptação e tem o papel de mudar o mindset das equipes para o novo normal, por isso é preciso se reinventar.

Se nos últimos anos a tecnologia para o RH e outros setores era uma tendência, atualmente é uma realidade fundamental para manter as atividades empresariais, com segurança devido a pandemia. Mas principalmente com um diferencial competitivo que gera economia de recursos e tempo, agilidade nas demandas, maior entrega e principalmente visão estratégica.

Além de mostrar uma nova realidade de produção, a pandemia reforçou a importância de cuidar do capital humano, mostrando que são as pessoas que fazem os negócios funcionarem, e mesmo com a tecnologia é preciso criar o sentimento de pertencimento e valorizar os colaboradores. Com todas essas mudanças do comportamento dos consumidores, colaboradores e candidatos cabe ao setor de recursos humanos promover a reinvenção dos processos e atitudes para atender as novas demandas.

Qual a missão do RH?

Atrair, recrutar e selecionar candidatos, essa é uma das principais atribuições confiadas ao setor de recursos humanos, mas não é a única. Existem muitas outras funções que o RH desempenha em uma empresa, e que nesse momento de pandemia é fundamental.

A equipe de RH tem como tarefa importante zelar pela cultura, valores e propósito da organização. É por isso que realizar contratações alinhadas ao fit cultural são importantes, assim os novos colaboradores possuem maior aderência a marca.

Perguntas para contratar de acordo com o fit cultural da sua empresa

No âmbito de preservar a empresa, o RH deve também valorizar os colaboradores, promovendo ações de integração e capacitação, além de pesquisas que visam avaliar a satisfação dos funcionários com o objetivo de preservar o bem-estar e clima organizacional.

Tudo isso influência em outro aspecto que o setor tem atuação fundamental, a reputação da marca empregadora. São os pequenos detalhes, cuidando das pessoas, e impulsionando os resultados, que fazem do RH uma equipe estratégica para o sucesso das empresas.

Como mencionamos, todas as experiências e comportamentos mudaram nos últimos meses, e assim, é preciso que o RH mude também, desempenhando seu papel em todos os quesitos importantes integrando empresas e pessoas. Ou seja, cada vez mais o RH deve deixar de ser operacional, ocupando um lugar estratégico.

Como o RH deve se reinventar para o novo normal:

Saiba mais sobre o novo normal para o pós-pandemia

Nunca se exigiu tanto do RH, as pessoas em casa, as dificuldades de manter o engajamento e gerenciar a necessidade de cuidar da saúde mental dos colaboradores, nesse momento o setor tomou destaque nas empresas, mas esse é um papel que deve se manter após a crise.

Ser estratégico: A visão estratégica do RH é fundamental para que as empresas superem a crise, nesse momento que muitas organizações congelaram as vagas o setor deve focar suas energias para rever as metas e planos de desenvolvimento. Muita coisa mudou então é preciso focar no crescimento dos funcionários, manter a produtividade e reduzir custos de formas assertiva para que a crise tenha os menores impactos possíveis.

O RH estratégico será fundamental após a crise e em qualquer empresa que visa crescer.

Comitês de crise: Muitas empresas já possuem comitês específicos para os momentos de crise, embora não seja possível prever uma pandemia, esse tipo de grupo tem atuação certa. Outras empresas criaram o comitê de crise para desenvolver as ações para esse cenário, hoje, com alguns meses de pandemia muitas empresas já se adequaram, outras nem tanto. São essas questões que o RH deve se atentar e analisar o que pode melhorar.

Além disso, muitas cidades já estão planejando o retorno, por isso é importante que uma equipe seja responsável por analisar as consequências e medidas que devem ser tomas para preservar a saúde e segurança dos colaboradores. Questões como distanciamento, higiene, triagem e acesso aos locais, são algumas que merecem atenção, a retomada deve ser detalhista e pensada para cada área.

Atenção aos colaboradores: Esse é um dos pontos mais importantes para um RH inovador, como citamos anteriormente, cada vez mais o mercado de trabalho irá exigir que as empresas valorizem seus funcionários. Em um mundo pandêmico, as empresas estão ameaças por que os funcionários correm riscos de saúde, logo, é necessário tomar todos os cuidados possíveis.

O trabalho remoto foi adotado, e futuramente uma retomada aos escritórios, nos dois contextos o setor de recursos humanos precisa manter e reforçar a comunicação e atenção aos colaboradores. É preciso criar formas de interagir, adotar medidas para aproximar o capital humano da marca e desenvolver o sentimento de pertencimento.

A tecnologia é o principal aliado, mas a criatividade também deve ser levada em conta, tudo respaldado em pesquisas de clima, para entender a percepção dos colaboradores. Treinamentos, reuniões sobre os mais variados assuntos, atividade de descontração, palestras sobre temas pertinentes como produtividade e saúde mental, são ações de baixo custo que acolhem e integram as pessoas.

Inovação e apoio com os novos formatos: A criatividade e novas ferramentas são uma peça importante para manter os colaboradores engajados e produtivos. Com a crise o RH deve apoiar em novas formas de gerenciar as equipes sugerindo melhorias para a comunicação e controle de metas.

As novas tecnologias impactam diretamente em novos comportamentos, que podem contar com boa adesão, ou não, dos colaboradores. Por isso o setor de recursos humanos deve atuar com todo o suporte e apoio nessas mudanças, dessa forma o mindset da empresa começa a ser alinhado a digitalização das atividades, reforçando sempre as vantagens da inovação, como a redução de custos e maior assertividade.

Digitalização do RH: Essa é uma realidade que irá fazer toda diferença para os processos seletivos, durante o distanciamento social e após a crise. Não sabemos quando será realmente seguro sair as ruas, então para não expor funcionários e candidatos aos possíveis riscos, o recrutamento digital é a melhor solução.

As vantagens de recrutar digitalmente vão além distancia por causa da pandemia, com o PandaPé, ATS desenvolvido pelo InfoJobs, é possível encontrar o candidato certo com os filtros de triagem, otimizar os processos burocráticos de formas automática e economizar recursos com o processo, tudo de forma integrada com todos os responsáveis pela vaga, além de proporcionar uma experiência única e inovadora para os candidatos.

Nesse momento é preciso organizar a rotina com essas mudanças, proporcionando uma boa experiência aos candidatos e colaboradores, mesmo que reduzindo custos. O RH tem a função de alinhar essas transformações ao propósito da empresa, com o apoio da tecnologia e atenção ao engajamento e saúde mental. Os novos formatos atendem não somente os momentos de crise, mas também uma realidade de pós-pandemia.